Página Inicial / Bahia / Mãe e filho morrem logo após o parto em Itabuna; família denuncia negligência médica

Mãe e filho morrem logo após o parto em Itabuna; família denuncia negligência médica

Compartilhe em sua Rede Social

Uma mulher de 31 anos e o bebê que ela esperava, do sexo feminino, morreram após a realização do parto numa maternidade do município de Itabuna, localizado na região sul da Bahia. Após o ocorrido, familiares denunciaram à polícia que houve negligência médica, porque a criança, segundo eles, deveria ter nascido um mês antes.

O parto da dona de casa Rosineide Costa, que morava no município vizinho de Itapé, foi realizado na quarta-feira (11) na Maternidade Ester Gomes. A menina que ela esperava se chamaria Mônica.

O marido de Rosineide, o motorista Laércio dos Santos, diz que a mulher estava sentindo muitas dores desde o início do mês de março e que foi pelo menos seis vezes até a maternidade, mas os médicos teriam dito que não era o momento do parto.

“Houve negligência médica, porque passou da hora de nascer. Os ultrassons que a gente tirou, os primeiras, informaram que ela tinha até o dia 7 de março para ter a criança. E eles só diziam que não estava na hora, que a criança não estava na posição, que a mãe não dilatou”, disse.

O homem conta a mulher fez uma consulta em uma clínica particular da cidade, onde foi constatado que o feto estava com 4,3 kg e que a placenta apresentava grau 3 de maturidade, o máximo na escala. Segundo Laércio, o médico que fez o exame na clínica alertou que o parto não poderia passar do dia 7 de março.

O casal, então, retornou à Maternidade Ester Gomes, mas a equipe médica, mais uma vez, não teria feito o parto. O procedimento só foi realizado as 10h da quarta-feira, mas o bebê não sobreviveu. Assista à reportagem do G1:

Rosineide apresentou uma hemorragia no útero após o parto e foi tranferida para o Hospital de Base de Itabuna, mas também não resistiu e morreu às 16h do mesmo dia.

A mulher tinha outros quatro filhos, mas a menina que esperava seria a primeira filha dela com Laércio. Após a morte da mãe e da bebê, a família registrou uma queixa na Polícia Civil contra o obstetra Carlos Coelho, que teria atendido Rosineide nas duas últimas vezes em que ela esteve na maternidade e que teria dito que não era o momento do parto.

O médico informou que não vai se pronunciar sobre o assunto, porque alegou não ter sido ele quem realizou o parto. A reportagem não conseguiu contato com a direção da maternidade nesta quinta-feira. // G1

Sobre Reginaldo Spínola

Postagem em destaque

Auditoria em Vera Cruz aponta irregularidades na aplicação de recursos do Fundeb

Compartilhe em sua Rede Social  Tribunal de Contas dos Municípios julgou procedente, nesta terça-feira (23), …