Página Inicial / Justiça / Itambé: TCM inocenta vereadora Maria José, de denúncias e retira ressarcimento e multa aplicada

Itambé: TCM inocenta vereadora Maria José, de denúncias e retira ressarcimento e multa aplicada

 

A vereadora Maria José (PSD), tem muita a comemorar, pois nova decisão do Tribunal de Contas dos Municípios (TCM), após julgar pedido de reconsideração da decisão que a condenava ao ressarcimento aos cofres públicos, com recursos pessoais, o valor de R$136.200,00, além da multa de R$ 7.000,00 inocentou a Edil, que teve os valores retirados da sua obrigação de devolução.

ENTENDA O CASO

Em meados de 2016, uma denúncia ingressada no Tribunal de Contas dos Municípios (TCM), formulada por Regina Lúcia Fernandes de Santana, e outros vereadores da época, contra a então presidente da Câmara, Maria José Freitas de Almeida Moreira foi julgada parcialmente procedente pelo TCM.

Os Denunciantes apontaram irregularidades na contratação das empresas de consultoria MUNIZ DE GOES ASSESSORIA E CONSULTORIA LTDA – ME e MUNIZ DE GOES, RIBEIRO E ASSOCIADOS, por regime de inexigibilidade, para prestação de diversos serviços técnicos especializados de assessoria e consultoria no âmbito daquela Casa Legislativa.

As empresas de consultorias em questão haviam sido contratadas para elaboração da nova Lei Orgânica do Município, bem como do Regimento Interno e do Código de Ética da Câmara de Vereadores. A denunciante alegou que não houve a prestação dos serviços.

Em Sessão Plenária realizada no dia 31 de maio de 2017 foi emitida Deliberação, publicada no Diário Oficial do TCM, o conhecimento parcial e procedência da delação, imputando multa a vereadora Maria José no valor de R$7.000,00, bem como o dever de ressarcimento aos cofres do município do valor de R$136.200,00 a serem recolhidas ao erário municipal com recursos pessoais, além de representação ao Ministério Público Estadual e à OAB – Bahia.

Como a decisão cabia recurso, Maria José protocolou Pedido de Reconsideração, sob o argumento de que a denúncia teria como único propósito a desestabilização da administração municipal – na época, e que não existia provas do suposto superfaturamento na contratação das assessorias.

Acatado o apelo, a gestora requereu a juntada de novos documentos, já que a sua defesa teria detectado que não tinha sido anexada a totalidade dos documentos efetivamente relevantes para julgar o mérito num adequado reexame da questão.

Após análise de todos os elementos colacionados e estando tudo devidamente apreciado, o Tribunal entendeu que o Pedido de Reconsideração, com os acréscimos dos novos elementos, inclusive declarações dos próprios ex-vereadores responsáveis pela denúncia, na qual declaram que as referidas reformas tramitaram e foram concluídas em dezembro de 2016, permitiu alterar a decisão antes adotada.

Assim, diferentemente do quanto concluído na primeira oportunidade, o TCM entendeu que os documentos comprovam que houve prestação de serviços nos debates para elaboração da nova Lei Orgânica do Município, bem como do Regimento Interno e do Código de Ética da Câmara de Vereadores, inclusive com a participação de representantes das referidas empresas.

Desta forma, em nova decisão no último dia 12 de junho de 2018, reconheceu a improcedência da denúncia e retirou a determinação de ressarcimento do valor pago pelos contratos celebrados com as consultorias e reduziu a multa aplicada para o valor de R$4.000,00.

Sobre Reginaldo Spínola

Postagem em destaque

Jogador de futebol mata transexual para esconder relação entre os dois

Um jogador de futebol, de 22 anos foi preso em flagrante na última quinta-feira (21/4) …