Página Inicial / Brasil / Número de casos de sarampo no Brasil é o maior em 20 anos

Número de casos de sarampo no Brasil é o maior em 20 anos

Compartilhe em sua Rede Social

Desde o início deste ano, o Brasil já confirmou 1.053 casos de sarampo, segundo o Ministério da Saúde. Mais de 4 mil casos continuam em investigação. É o maior número de casos em 20 anos.

O último grande surto no Brasil foi registrado em 1997, quando 53.664 pessoas adoeceram por causa do sarampo. Em 1998 foram confirmados 2.781 casos. Nos anos seguintes, o número de manteve abaixo de mil, com destaque para 1999 que teve 908 casos, e 2014, quando foram registrados 876 casos.

Nesses 20 anos, o Brasil teve períodos sem o vírus. Em 2004 nenhum caso foi registrado. O mesmo aconteceu entre 2007 e 2009. Depois de registrar 214 casos em 2015, em 2016 não houve notificações e o país recebeu o certificado de área livre de sarampo. Mas a boa notícia durou pouco. Depois de passar 2017 sem registros, 2018 começou com os primeiros casos confirmados em Roraima.

De acordo com a infectologista Rosana Richtmann, membro do Comitê de Imunizações da Sociedade Brasileira de Infectologia, os primeiros casos da doença no Brasil são considerados importados, mas, em pouco tempo, a transmissão já passou a ser doméstica, ou autóctone, como é chamado o contágio de pessoa para pessoa dentro da mesma região.

“O vírus voltou ao Brasil com os refugiados que vieram da Venezuela, mas, a partir do momento em que as pessoas passaram a transmitir o vírus de uma para a outra dentro do país, os casos de sarampo deixaram de ser importados e passaram a ser autóctones”.

Entre os casos confirmados este ano, a maioria foi registrado na região Norte: 742 no Amazonas, 280 em Roraima, 2 no Pará e 1 em Rondônia. Mas o vírus já começou a se espalhar pelo país. Outros Estados que confirmaram casos foram o Rio de Janeiro (14), o Rio Grande do Sul (13) e São Paulo (1).

O Estado do Amazonas, líder do ranking, não registrava casos desde o ano 2000. Roraima registrou apenas um caso em 2015, antes disso, tinha registrado 22 casos em 1998.

A infectologista faz um alerta: depois de tanto tempo sem circular, existe o risco de o vírus continuar migrando para outros Estados se a população não responder ao chamado para se vacinar.

“A vacina é a única forma de evitar a doença. O sarampo é uma doença altamente contagiosa, se o vírus chega em uma cidade onde as pessoas não estão vacinadas, a chance de ele se espalhar e contaminar muita gente é grande, por isso as pessoas precisam se vacinar, para evitar que isso aconteça”.

Rosana também destaca a importância de as equipes de saúde conseguirem identificar os casos de sarampo precocemente e fazer a notificação. A partir disso, o Ministério da Saúde pode fazer as ações de bloqueio, ou seja, refazer o caminho da pessoa infectada e verificar se quem teve contato com ela está doente ou se já foi vacinado.

“Se a pessoa viajou de avião, as equipes de saúde precisam ir atrás de todos que estavam no voo para ver se essas pessoas se vacinaram ou se tiveram a doença. Quem não foi vacinado vai receber uma dose, é a vacinação de bloqueio”, diz.

A infectologista também explica que se vacinar agora também significa evitar que o vírus volte a agir nos próximos anos. “Imigração sempre vai existir, turismo também, a circulação do sarampo na Europa, por exemplo, ainda é grande. Se a população do Brasil estiver vacinada, mesmo que as pessoas viagem ou imigrem, o país vai estar protegido”.

CRIANÇAS SÃO FOCO DA CAMPANHA DE VACINAÇÃO

A campanha nacional de vacinação contra o sarampo e a poliomielite que começa na próxima segunda-feira (6) tem como público-alvo crianças entre 1 e 4 anos.

De acordo com a infectologista, vacinar adultos é importante, mas vacinar crianças é fundamental por três motivos. O primeiro é que elas são o que a médica chama de “terroristas biológicos”, capazes de transmitir o vírus com maior facilidade e por mais tempo. Além disso, quando são infectadas, as crianças podem evoluir mais rápido para quadros graves da doença e possuem menor chance de já ter tido algum contato com o vírus, o que ajuda a criar anticorpos.

“Os adultos, ou já tiveram a doença, ou já foram vacinados em algum momento da vida. Já tiveram contato com o vírus porque algum amigo ou parente pegou sarampo, por isso a chance de um adulto ser imune à doença é maior”, explica.

Mas isso não significa que adultos não precisem se vacinar. Para estarem completamente protegidas, segundo o Programa Nacional de Imunizações, crianças com mais de um ano e adultos até 29 anos devem ter tomado duas doses da vacina. Adultos com 30 anos ou mais são considerados protegidos com uma dose.

Sobre Reginaldo Spínola

Postagem em destaque

Temporal destrói cobertura de posto de combustíveis e derruba 20 árvores em Jequié

Compartilhe em sua Rede Social  Um temporal com fortes ventos atingiu a cidade de Jequié, …