Início Noticias Itambé em alerta: População começa a sofrer com falta d água devido a baixa vazão do Rio Pardo

Itambé em alerta: População começa a sofrer com falta d água devido a baixa vazão do Rio Pardo

Por Reginaldo Spínola
A população de Itambé está
assustada com a situação de seca em que passa o Rio Pardo, que devido a baixa
vazão, obrigou a Embasa a suspender o fornecimento de água no município de
Itambé, por aproximadamente 2 a 3 dias.
Segundo informação da Embasa, a
suspensão do fornecimento se deu por conta da baixa quantidade água do rio, no
local da captação. A embasa informou ainda que medidas estão sendo tomadas para
transferir a bomba de sucção para um outro local mais profundo.
Ainda de acordo com a Embasa,
essa medida deverá durar por aproximadamente 2 a 3 dias. Até lá o fornecimento
de água estará suspenso.
Nos próximos dias o Blog
Itambeagora estará exibindo uma matéria em vídeo, mostrando a real situação do
Rio Pardo, iniciando nas proximidades do Curtume até acima da Fazenda Ipezinho,
localizada acima da Ponte do Rio Jiboia.
A situação é de extrema atenção e
preocupação, pois há vários pontos do rio, em que já não corre mais água.  Aguardem a matéria.   
Itambeagora@gmail.com
4 Comentários

mais Postagens interessantes

4 Comentários

WILSON 7 de outubro de 2015 - 10:39

Em primeiro lugar, devemos suplicar à Deus e à Jesus Cristo por misericórdia," pois muitas profecias de finais dos tempos estão se cumprindo sobre a terra, e a humanidade não estão se percebendo, que a volta do nosso mestre e Salvador," Jesus Cristo , está se aproximando. Mas em segundo lugar, faço essa pergunta; se realmente existe essa represa {barragem } cabe as autoridades procurar solucionar o problema, porque para isso Deus instituiu os homens da lei na terra. Está escrito no livro de ROMANOS CAPITULO 13 do verso 1 em diante . Diante desse tipo de necessidade, nem em nossa região, nem em outros locais, ninguém tem o direito de conter as àguas, pois direitos iguais, são constitucionais em nível Universal.

Anônimo 7 de outubro de 2015 - 00:00

eu sou leigo desse assunto mas sou morador de itambé ñ cabe as autoridades procurar resolver essa situação desse problema !!!

WILSON ALVES 12 de outubro de 2015 - 11:48

Não há autoridade humana na terra, que resolva esse e outros problemas, sem a permissão do Deus Criador da terra e céu mar e tudo que neles há. Dá para observar que à cada ano que passa, o antigo grande!! Rio pardo", em tempo de seca{verão} vem se comportando de maneiras degradante," e isso não está acontecendo só na região de Itambé, mas do nascente, até o poente do Riu, é visível a diferença. Conclui-se que; não devemos entregarmos a responsabilidade{problema} todo para as autoridades, e ficarmos de braços cruzado.O certo é que; as autoridades também são seres humanos, e os problemas só serão solucionados, se autoridades e toda a população, juntos se humilhares, e suplicarem à Deus e à Jesus Cristo por misericórdia . Deus pode abrir as janelas do céu, e derramar bênçãos se medidas. Vejam nas escrituras Sagradas, no livro de Mateus capitulo 6 veiculo 33 que diz; mas buscai primeiro o Reino de Deus, e a sua Justiça, e todas essas coisas vos serão acrescentadas palavras ditas por Jesus Cristo. AMEM?

Eros Gusmão Andrade 6 de outubro de 2015 - 16:40

Boa tarde.
A embasa já procurou se informar o porque da baixa vazão de água no rio pardo? A pouca água que o rio tem, por conta da seca, está sendo represada em uma barragem no norte de Minas gerais, mais precisamente em Machado Mineiro. Responsável pela irrigação de fazendas com centenas de hectares de café, pastagens e eucalipto. Dessa forma, a vazão ecológica, que seria de 20% da água do rio, não está sendo liberada para manutenção do seu curso. Comprometendo não só o abastecimento da população que depende da água, como também a perenizacao do rio. A ganância do homem está acabando com o Rio Pardo. Cadê a fiscalização?

Comentários estão fechados.

Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site. Ao clicar em "aceitar" assumiremos que você concorda com o uso que fazemos dos cookies. Concordo Clique AQUI e tenha mais informações

Política de Privacidade