Início Noticias Caatiba: Vídeo mostra PF e CGU recolhendo documentos no gabinete e na casa do prefeito

Caatiba: Vídeo mostra PF e CGU recolhendo documentos no gabinete e na casa do prefeito

Por Reginaldo Spínola
Novas informações sobre a
Operação Mato Cerrado, realizada nesta manhã em Caatiba, revelam como
funcionava o esquema de fraude comandado pelo prefeito Júnior Mendes. Assista
(áudio foi suprimido):

Em entrevista coletiva, a
força-tarefa que desmantelou o esquema de desvio de recursos públicos da
Prefeitura de Caatiba detalhou como funcionava o crime. Segundo os dados
coletados em conjunto pela Polícia Federal, Receita Federal, Controladoria
Geral da União e Ministério Público Federal, pelo menos R$ 5 milhões foram
desviados dos contratos ilegais firmados com cooperativas.
Durante a operação, foram
cumpridos 22 mandados de busca e apreensão. A cooperativa faturou R$ 15 milhões
do município, entre 2013 e 2015. “A experiência nos leva a crer que um terço
desse recurso era desviado. A gente já tem informações, através das análises
colhidas da movimentação das contas bancárias, que parte desses recursos
voltava para os agentes públicos. A estimativa é que pelo menos R$ 5 milhões
foi desviado da prefeitura”, apontou o chefe da CGU na Bahia, Adilmar
Gregorini.
O dinheiro era desviado da Saúde
e Educação, principalmente do transporte escolar, e Programa de Saúde da
Família, com o pagamento de médicos e enfermeiros. Os objetivos eram fugir da
Lei de Responsabilidade Fiscal e pagar dívida de campanha. “Através das cooperativas,
eles indicavam os apadrinhados políticos para os cargos. Aí entravam laranjas,
funcionários fantasmas, na folha de pagamento da cooperativa. Percebemos que
pessoas que prestavam um serviço por mil reais, tinham depositado em sua conta
20 mil reais, e até empregada doméstica entrava na folha da cooperativa”,
apontou o delegado Rodrigo Kolbe.
O esquema também causou danos aos
cofres públicos através de fraudes nos pagamentos de impostos. “A cooperativa
não deveria funcionar a base de funcionários. E, nesse caso, todas as pessoas
que trabalhavam para a cooperativa não eram cooperados. Isso, então,
descaracteriza a cooperativa. Ela está usando da forma de cooperativa para,
entre outras coisas, pagar menos tributos”, explica André Reis, delegado-chefe
da Receita Federal em Vitória da Conquista. Segundo ele, a descaracterização
dessas entidades pode levar a autuações por parte da Receita Federal de mais de
R$ 40 milhões.
Os mandados foram cumpridos em
mandados de busca nos municípios de Vitória da Conquista, Caatiba, Planalto e
Salvador. Entre os locais em que os policiais estiveram, estão a o Prédio da
Prefeitura de Caatiba e a casa do prefeito Junior Mendes, acusado de comandar o
esquema ao lado de sua esposa. “Em um dos mandados de busca cumpridos, a equipe
conseguiu interromper uma das pessoas destruindo os documentos. Em outro alvo,
havia uma parede falsa de gesso, onde havia mais documentos”, completou o
delegado Rodrigo Kolbe. (Com informações do Blog da Resenha Geral)

Itambeagora@gmail.com

mais Postagens interessantes

Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site. Ao clicar em "aceitar" assumiremos que você concorda com o uso que fazemos dos cookies. Concordo Clique AQUI e tenha mais informações

Política de Privacidade