Início Covid-19 Anvisa recebeu mais de 300 ameaças relacionadas à vacinação de crianças

Anvisa recebeu mais de 300 ameaças relacionadas à vacinação de crianças

Por Reginaldo Spínola

Diretores e técnicos da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) receberam mais de 300 ameaças desde que entrou em pauta a discussão sobre a vacinação de crianças para a Covid-19. Os ataques mais recentes chegaram após a agência dar aval a aplicação da Coronavac no grupo de 6 a 17 anos. A agência tem informado a Polícia Federal e o STF (Supremo Tribunal Federal) sobre as ameaças.

As ameaças se tornaram mais frequentes após o presidente Jair Bolsonaro (PL), que é vetor de desinformação sobre a imunização, afirmar que iria expor nome de técnicos do órgão que aprovaram o uso de doses da Pfizer na faixa de 5 a 11 anos. O chefe do órgão regulador, Antonio Barra Torres, disse no fim de dezembro que Bolsonaro (PL) estimula crimes de ameaça contra integrantes do órgão.

Bolsonaro ainda sugeriu que havia “interesses” da Anvisa na aprovação das vacinas. Barra Torres, antes aliado de Bolsonaro, reagiu e cobrou retratação. Na quinta (20), durante a votação que liberou a Coronavac aos mais jovens, técnicos da agência receberam ameaça afirmando que “o preço que vc vai pagar será altíssimo (sic)”. “É uma vergonha ver vcs que não poupam nem os pequeninos da ganância louca e o interesse mercenários, como brasileira sinto vergonha de vc!! (sic)”, afirmava o mesmo ataque, recebido por e-mail.

Na mesma data, outra pessoa também citou um “preço a ser pago” pela aprovação das vacinas em email com ameaça.

 “E o preço a ser pago será terrível não quero estar na sua pele e oro a Deus em desfavor de todos que tem causado dor e sofrimentos ao seu próximo, lembre se o próximo pode ser dentro de sua família”, afirmava a mensagem.

A agência liberou o uso da vacina da Pfizer e da Coronavac a menores de idade. A primeira pode ser aplicada no público acima de 5 anos, enquanto a vacina distribuída pelo Butantan tem aval para o grupo de 6 anos ou mais.

 “Seu lugar em Guantánamo está reservado para aqueles que cometem crime contra a humanidade. Aguarde (sic)”, afirmou ainda outra ameaça, enviada à agência no último dia 18.

Neste sábado, o presidente Bolsonaro voltou a minimizar o número de mortes de crianças por coronavírus.

 “Se você analisar, 2020, 2021, mesmo na crise da coronavírus, ninguém ouviu dizer que estava precisando de UTI infantil. Não teve. Não tivemos. Eu desconheço criança baixar no hospital. Algumas morreram? Sim, morreram. Lamento, profundamente, tá. Mas é um número insignificante e tem que se levar em conta se ela tinha outras comorbidades também”, disse.

De acordo com dados do Sistema de Vigilância Epidemiológica da Gripe, desde o começo da pandemia até 6 de dezembro de 2021, foram registradas 301 mortes de crianças entre 5 e 11 anos por Covid-19 no país.

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, tem estimulado o discurso de ala bolsonarista contrária à vacinação das crianças. Gestores do SUS cobram que Queiroga, além de atuar na compra das doses, faça campanha de estímulo a imunização das crianças.

Em dezembro, o ministro afirmou não ver problema na divulgação de nomes de técnicos da Anvisa, na mesma linha do que fez Bolsonaro. // ItirucuOnline

Compartilhe esse post com seus amigos

Deixe um comentário

mais Postagens interessantes

Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site. Ao clicar em "aceitar" assumiremos que você concorda com o uso que fazemos dos cookies. Concordo Clique AQUI e tenha mais informações

Política de Privacidade