Início Brasil Com mais de 99% das urnas apuradas no Paraná, Sérgio Moro é eleito senador da república

Com mais de 99% das urnas apuradas no Paraná, Sérgio Moro é eleito senador da república

Por Reginaldo Spínola

O ex-juiz Sergio Moro (União) conquistou, neste domingo (2/10), a vaga no Senado Federal destinada ao Paraná. Com 97,63% das urnas apuradas, o candidato atingiu 33,71% dos votos e ultrapassou o favorito nas pesquisas, o senador Álvaro Dias (Pode), que está em terceiro lugar, com 23,82%.

A dois dias do pleito deste domingo (2/10), Moro foi alvo de uma representação da federação Brasil da Esperança, apresentada na Justiça Eleitoral na sexta-feira (30/9), que pedia a retirada de uma postagem feita pelo ex-juiz na qual insinuava que o principal adversário, Álvaro Dias, tinha uma ligação com o Partido dos Trabalhadores (PT). A federação acusou Moro de disseminar desinformação na tentativa de induzir o eleitor do estado. O Tribunal Regional Eleitoral do Paraná (TRE-PR) negou o pedido de retirada.

Álvaro terminou a disputa em terceiro lugar, atrás de Paulo Martins, do Partido Liberal (PL), que atingiu o segundo lugar com 29,10%. Os três compõem, juntos, o maior quantitativo de votos entre nove candidatos, o que já era apontado pelas pesquisas eleitorais. No entanto, a ordem prevista pelo último levantamento feito no estado, do Ipec, apresentou um resultado diferente do das urnas.

Na pesquisa, publicada neste sábado (1º/10), Álvaro Dias (Pode) era apontado como o ganhador da única vaga que o estado tinha para preencher neste ano no Senado, com 41% dos votos válidos. Sergio Moro (União) estava em segundo lugar, com 35%, e Paulo Martins (PL) com 14%. A pesquisa foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o código BR-04355/2022; e no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) sob o código PR-02084/2022.

Quem é Sergio Moro?

Sergio Fernando Moro, de 50 anos, é jurista e ex-professor universitário. Ele iniciou a magistratura em 1996 em Curitiba. Auxiliou a ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) Rosa Weber no caso do Escândalo do Mensalão, em 2012. Em 2014, começou a julgar, em primeira instância, os crimes descobertos pela Operação Lava-Jato, atuação que o fez ganhar notoriedade em todo país e ser base da campanha de Moro para o Senado, focada na anticorrupção.

Em 2017, foi responsável por condenar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) em primeira instância, decisão que foi anulada pelo STF em 23 de junho de 2021 — os ministros afirmaram que Moro agiu com parcialidade no julgamento.

Foi o primeiro ministro da Justiça do governo Bolsonaro, entre janeiro de 2019 e abril de 2020, cargo que deixou após acusar o presidente de não cumprir a promessa dele ter carta branca para atuar como quisesse no cargo. Ele também afirmou que Bolsonaro agia para interferir na Polícia Federal (PF).

Em novembro de 2021, filiou-se ao Podemos e, após, ao União Brasil, com o intuito de se lançar como candidato à Presidência da República. Sem apoio da sigla, se lançou para o Senado. Em setembro deste ano, declarou apoio a Bolsonaro na disputa pela Presidência.

Compartilhe esse post com seus amigos

Deixe um comentário

mais Postagens interessantes

Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site. Ao clicar em "aceitar" assumiremos que você concorda com o uso que fazemos dos cookies. Concordo Clique AQUI e tenha mais informações

Política de Privacidade