Início Noticias Cantor Léo Magalhães tem bens penhorados para quitar dívida trabalhista

Cantor Léo Magalhães tem bens penhorados para quitar dívida trabalhista

Por Reginaldo Spínola
0 Comentário
O juiz Marcelo Nogueira Pedra, da
15ª Vara do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região (TRT-18), em Goiânia,
determinou o bloqueio judicial, penhora e remoção de dois veículos do cantor
Léo Magalhães e de suas empresas. A ação é movida pelo ex-baixista da banda
Humberto José da Silva, representado pelo advogado trabalhista Rafael Lara
Martins, por causa de dívidas trabalhistas que giram em torno de R$ 1,5 milhão.
Segundo o advogado, a ação faz
parte de um processo contra o cantor, a LB Produções Artísticas LTDA e Bonfim e
Oliveira LTDA, que já se arrasta desde o ano passado. No total, quatro músicos
processaram os três réus, mas um deles já fez um acordo, após uma condenação no
início do ano passado. Rafael Lara Martins ainda afirma que, inicialmente, foi
solicitado o bloqueio de numerário nas contas de Léo Magalhães e das duas
empresas, mas nenhum valor foi encontrado nas contas bancárias deles para
quitar as dívidas.

“Os três réus integram o
mesmo grupo econômico e identificamos que eles têm e fazem uso de quatro
veículos para os shows de Léo Magalhães. Só que nenhum deles está em nome do
cantor ou das empresas. No entanto, o juiz entendeu que há indícios de que
apenas o ônibus e a carreta são desse grupo. Portanto, determinou a penhora dos
bens e remoção desses veículos para que, futuramente, eles possam ser
leiloados”, explica o advogado.

Após a publicação da decisão, a
oficial de Justiça foi até Senador Canedo, onde o sertanejo fazia um show,
acompanhada do advogado do ex-baixista para tentar fazer a penhora e remoção
dos veículos. “Quando chegamos lá, encontramos apenas a carreta. Como o
show foi aqui perto de Goiânia, acreditamos que o ônibus não chegou a ser usado
como em outras viagens. Sendo assim, foi cumprida apenas a penhora da carreta”.

O advogado diz que, nesta
sexta-feira (3), será indicado um fiel depositário para a carreta, que a partir
de agora está vinculada ao processo e não pode mais ser vendida. “Optamos
pelo acordo, pois a defesa do cantor diz que vai provar que o veículo não pertence
ao grupo, mas se comprometeu a entregá-lo caso fique comprovada a propriedade.
Sendo assim, a carreta seguirá de posse dessa pessoa até que o juiz determine o
leilão”, pontou Rafael Lara Martins. (Bocão News)

Itambeagora@gmail.com
0 Comentário
0

mais Postagens interessantes

Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site. Ao clicar em "aceitar" assumiremos que você concorda com o uso que fazemos dos cookies. Concordo Clique AQUI e tenha mais informações

Política de Privacidade