Início Noticias Conquista: Identificado fazendeiro preso por manter trabalhadores itambeenses em situação de escravidão

Conquista: Identificado fazendeiro preso por manter trabalhadores itambeenses em situação de escravidão

Por Reginaldo Spínola
0 Comentário

itambagora

Foi revelada pela Polícia Rodoviária Federal, a identidade do fazendeiro que foi preso nesta terça-feira (31), ao ser flagrado mantendo trabalhadores itambeenses em regime semelhante à escravidão.

Aroldo Gusmão foi preso em flagrante e chegou a ser encaminhado ao Presídio Nilton Gonçalves. Após pagar fiança de R$ 8.800, ele foi solto, para responder ao processo em liberdade. A prisão ocorreu durante a ação de uma força-tarefa nesta segunda-feira (30) para libertar os trabalhadores.

Durante as inspeções realizadas, foi verificado que os empregados oriundos de Itambé dormiam dentro de um curral, ao lado de cavalos, em camas improvisadas, sem sanitários, nem condições mínimas de higiene e com um fogareiro aceso ao lado dos colchonetes de espuma. Eles também não tinham as carteiras de trabalho assinadas, nem realizaram exames médicos admissionais. Além disso, trabalhavam sem qualquer tipo de EPI (Equipamento de Proteção Individual). Um dos trabalhadores, inclusive, sofreu um corte no dedo e mesmo assim foi obrigado a trabalhar.

Em razão da precariedade do alojamento, os trabalhadores foram retirados do local pela PRF, retornando às suas residências no município de Itambé, cidade vizinha a Conquista.

Aroldo Gusmão (foto) foi encaminhado para a Delegacia de Polícia Federal em Vitória da Conquista. Além disso, foi entregue o relatório da fiscalização realizada para a PF, bem como para o MPF (Ministério Público Federal), para subsidiar a investigação desse crime. Nesta terça, os auditores-fiscais expedirão as carteiras de trabalho aos empregados resgatados, bem como a liberação das guias de seguro-desemprego.

O Ministério Público do Trabalho, além de ter solicitado a assinatura da carteira de trabalho dos trabalhadores, exigiu o pagamento das rescisões devidas, cujos valores giram em torno de R$ 20.000. Ainda será ajuizada uma ação civil pública junto à Vara do Trabalho postulando uma indenização pelos danos morais individuais e coletivos praticados, além do pedido de expropriação da terra com fundamento no art. 243 da Constituição Federal. Os trabalhadores receberão três parcelas de seguro-desemprego e já foram entrevistados, visando sua futura inserção no mercado de trabalho por meio do Projeto Ação Integrada, que tem como objetivo unir esforços para promover a modificação social, educacional e econômica dos resgatados do trabalho escravo e vulneráveis. O alojamento foi interditado pelos auditores e os serviços no estabelecimento rural só poderão reiniciar após a correção das irregularidades encontradas. (Informações: Blog do Marcelo)

Itambeagora@gmail.com
0 Comentário
0

Deixe um comentário

Ao utilizar este formulário concorda com o armazenamento e tratamento dos seus dados por este site.

mais Postagens interessantes

Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site. Ao clicar em "aceitar" assumiremos que você concorda com o uso que fazemos dos cookies. Concordo Clique AQUI e tenha mais informações

Política de Privacidade