Início Brasil Aos seis anos, criança baiana entra em sociedade internacional de pessoas superdotasdas

Aos seis anos, criança baiana entra em sociedade internacional de pessoas superdotasdas

Por Reginaldo Spínola

“Eu quero ser astronauta para descobrir outros planetas”, conta Marcelo Gomes, de seis anos. O sonho parece com o de qualquer criança comum, que se apaixona pelas estrelas, planetas e pelas incógnitas que rondam o universo. Contudo, Marcelo tem um diferencial: um QI de 138 na Escala Wechsler de Inteligência, considerado superior ao da maioria das pessoas (entre 90 – 109).

Morador de Guarajuba, distrito de Camaçari, na Região Metropolitana de Salvador, o garoto que começou a falar aos seis meses de vida, cursa o 4º ano do ensino fundamental e foi aceito em uma sociedade internacional para superdotados, a Intertel.

Fundada em 1966, a Intertel é uma das sociedades exclusivas para pessoas com quociente de inteligência (QI) maior que 135 na Escala Wechsler de Inteligência. Para entrar, é preciso comprovar o QI através de diversos testes e laudos de neuropsicólogos.

Segundo a sociedade, os membros são minoria na população, o que corresponde a 1% dos mais de sete bilhões de pessoas do mundo. Na Bahia, existem apenas dois membros inscritos na Intertel – e um deles é Marcelinho, o garoto apaixonado por Star Wars que sonha em ser astronauta.

Intertel aceita membros com QI igual ou superior a 135 — Foto: Arquivo pessoal

Segundo o psicólogo Jardson Fragoso, mestre em análise do comportamento, desde a primeira infância as crianças superdotadas dão sinais de que elas se desenvolvem e aprendem com mais facilidade. No caso de Marcelinho, quando falou as primeiras palavras aos seis meses de idade, ele formulava frases como “bom dia” e “quero leite”.

“Quando ele tinha dois anos, a gente estava viajando e ele apontou para um aviso e disse: ‘mamãe, dentista’. Realmente tinha escrito dentista, tomamos um susto”, relembrou Tatiana Gomes, mãe de Marcelo.

Saga escolar

Ao perceber a expertise do menino aos dois anos, os pais de Marcelo decidiram o matricular na escola. Apesar dos avisos sobre a alfabetização precoce e autodidata do menino, a direção explicou que ele só poderia iniciar no chamado “Grupo 2”.

A série foi caótica para Marcelo, que não conseguiu se adaptar aos rabiscos, brincadeiras e outras dinâmicas passadas pelos profissionais e que abraçam crianças de dois anos. Um dia a mãe recebeu uma ligação da escola solicitando que ela comparecesse à instituição e foi comunicada que precisaria transferir o filho de série.

”A diretora me ligou e fomos comunicados que ele disse que não queria ficar naquela sala. Ele falava que queria estudar e lá não tinha nada”, relatou Tatiana.

”Ele perguntava para a professora: ‘que horas a gente vai estudar?”, completou o pai, Marcelo.

Laudo da neuropsicóloga que avaliou Marcelo e relatório da escola que ele iniciou os estudos, no interior da Bahia — Foto: Arquivo pessoal

Foi aí que começou a saga de frequentar níveis escolares para crianças mais velhas. No “Grupo 4”, aos três anos, Marcelinho fez um teste de nivelamento e foi matriculado no 1º ano (equivalente para crianças de 6 anos) na Escola Emanuel, em Guarajuba. Quando terminou o 1º ano, ele havia completado 4 anos. Atualmente no 4º ano, o garoto é cerca de três anos mais novo que os colegas de turma.

O pai gostaria que Marcelo tivesse uma educação especializada para crianças com QI alto, assim poderia aprimorar suas habilidades e interagir com pessoas com realidades parecidas com a dele.

O Ministério da Educação (MEC) afirma que trabalha na criação de um cadastro nacional que englobe as principais informações sobre pessoas autistas. O objetivo é que, a partir desse cadastro, sejam criadas políticas públicas que auxiliem no melhor desenvolvimento dessas habilidades especiais. Não há informações sobre quando o projeto será implantado.

O g1 entrou em contato com o Governo da Bahia, com o objetivo de saber se, a nível estadual, existem políticas públicas voltadas para crianças e adolescentes superdotados, mas não teve resposta até o fechamento desta matéria.

O que diz o especialista

Em conversa ao g1, o psicólogo Jardson Fragoso, explicou que casos como o de Marcelo, tratam-se de superdotação e altas habilidades. Na maioria dos pacientes com essas aptidões, as crianças se desenvolvem rapidamente e reagem ao mundo de maneira diferente das demais.

Marcelo Lopes — Foto: Arquivo pessoal

Jardson disse ainda que o desejo do pai de Marcelo, de uma educação especializada para crianças com QI alto, é necessário e esclareceu que o ideal é uma educação dedicada às necessidades dessas crianças, para que equilibre o desenvolvimento dos pequenos.

O psicólogo detalha que os marcos de desenvolvimento do ser-humano não são medidos apenas pela capacidade intelectual, mas também de outras áreas do conhecimento, principalmente as que envolvem os relacionamentos.

”Essas crianças podem ter um desenvolvimento social e motor prejudicado por estarem pulando etapas da vida. Essa maneira vigente na educação não aproveita o melhor que elas têm a oferecer”, explicou.

Jardson revela ainda a importância do ambiente, sobretudo familiar, que a criança é inserida. O especialista defende que atitudes como a da mãe de Marcelinho de não podar a imaginação do pequeno, de responder questionamentos e de definir tarefas do dia a dia, são capazes de auxiliar no desenvolvimento e outros marcos da vida.

Compartilhe esse post com seus amigos

Deixe um comentário

mais Postagens interessantes

Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site. Ao clicar em "aceitar" assumiremos que você concorda com o uso que fazemos dos cookies. Concordo Clique AQUI e tenha mais informações

Política de Privacidade