Início Bahia Conheça os nove baianos que buscam medalha na Paralimpíada de Tóquio

Conheça os nove baianos que buscam medalha na Paralimpíada de Tóquio

Por Reginaldo Spínola

Os atletas baianos fizeram bonito na Olimpíada de Tóquio, com cinco medalhas de ouro e uma de prata conquistadas. Para quem já ficou com saudade, agora começa a Paralimpíada no Japão, e há boa expectativa de pódio para os representantes do estado.

Representando a região Sudoeste está o itapetinguense Renê Pereira. Em 2006, ele foi diagnosticado com abscesso epidural (acúmulo de pus no canal vertebral), o que causou uma compressão da medula e, por consequência, a perda dos movimentos das pernas. Seis anos depois, começou a praticar o remo e iniciou uma carreira cheia de conquistas.

Entre elas, prata na etapa da Copa do Mundo de 2019 em Roterdã (Holanda) e ouro no Mundial de Remo Indoor em Boston (EUA), em 2017. Ele compete na categoria single scull masculino (PR1M1x), que tem o barco formado por remadores que possuem somente mobilidade de ombros e braços.

RENÊ FOI VICE-CAMPEÃO NA ETAPA DA COPA DO MUNDO DE 2019 EM ROTERDÃ

Além de Renê, ao todo, são nove competidores nascidos na Bahia nos Jogos. Três deles estão no futebol de 5, modalidade disputada por atletas com deficiência visual – exceto os goleiros – e que tem o Brasil como único campeão paralímpico. Desde que o esporte entrou no evento, em Atenas-2004, somente o país conquistou o ouro.

Um dos principais nomes da seleção é Jefinho, de 31 anos. Eleito o melhor jogador do mundo em 2010, o baiano de Candeias perdeu totalmente a visão aos 7 anos, devido a um glaucoma. Passou pela natação e pelo atletismo até se descobrir no futebol de 5. Em Tóquio, buscará, além do penta brasileiro, sua quarta medalha dourada – ele já foi campeão em Pequim-2008, Londres-2012 e Rio-2016.

JEFINHO FOI ELEITO O MELHOR JOGADOR DO MUNDO EM 2010

Nessa missão, Jefinho estará acompanhado dos conterrâneos Cássio Reis e Gledson Barros. O primeiro também subiu ao pódio nas duas últimas edições do evento. O jogador, nascido em Ituberá, perdeu a visão aos 14 anos por causa de um deslocamento de retina seguido de catarata.

CÁSSIO É BICAMPEÃO PARALÍMPICO

Já Gledson, o Guegueu, foi campeão em Londres-2012, sua única Paralimpíada até aqui. Soteropolitano, ele teve uma atrofia no nervo óptico que o fez perder a visão aos 6 anos.

GLEDSON CONQUISTOU O OURO NO FUTEBOL DE 5 EM LONDRES-2012

No atletismo, a Bahia está representada por quatro mulheres. Entre elas, Edneusa Dorta, primeira medalhista paralímpica brasileira em maratonas. O feito foi conquistado nos Jogos do Rio-2016, na estreia da atleta pela seleção brasileira, aos 40 anos. Em 2019, a soteropolitana foi vice-campeã no Mundial de Londres e mira um novo pódio em Tóquio, aos 45 anos.

Edneusa disputa na classe T12, para deficientes visuais. Ela possui baixa visão desde o nascimento, decorrente de uma rubéola que a mãe adquiriu durante a gravidez. Além da maratona, está inscrita na prova dos 1.500m.

EDNEUSA FOI A PRIMEIRA MEDALHISTA PARALÍMPICA BRASILEIRA EM MARATONAS

Nas provas de velocidade do atletismo, estão Samira Brito e Táscitha Cruz, que competem nos 100m e 200m da classe T36, voltada para os paralisados cerebrais.

Samira é estreante na Paralimpíada e promete fazer bonito: é atualmente a 2ª colocada no ranking mundial da categoria e já foi campeã brasileira, entre outros títulos. Baiana de Juazeiro, ela teve aos 9 anos constatada a paralisia cerebral, que afeta movimentos dos membros, além da fala e audição.

SAMIRA VAI ESTREAR NA PARALIMPÍADA

Táscitha, por sua vez, representou o Brasil no Rio-2016, em que foi finalista. Ela nasceu com encefalopatia bilirrubínica, doença que deixa sequelas neurológicas. No caso da soteropolitana, sua fala e coordenação motora foram os mais afetados.

TÁSCITHA FOI FINALISTA NO RIO-2016

No lançamento de dardo, há boas chances de medalha com Raíssa Machado. Em 2019, a baiana de Ibipeba foi a campeã nos Jogos Parapan-Americanos de Lima, além de bronze no Mundial de Dubai. Naquele ano, aliás, ela terminou na liderança do ranking da modalidade.

Raíssa disputa na classe F56, voltada para as pessoas que competem em cadeiras, já que nasceu com má-formação nas pernas.

RAÍSSA CONQUISTOU O OURO EM LIMA-2019

Outro baiano que pode subir ao pódio em Tóquio é Evânio Rodrigues, da categoria até 88kg do halterofilismo. Natural de Cícero Dantas, o atleta tem um currículo estrelado, incluindo a prata no Rio-2016, ouro nos Jogos Parapan-Americanos de Lima, em 2019, ouro na Copa do Mundo da Nigéria, em 2020, e prata na etapa de Tbilisi (na Geórgia) da Copa do Mundo 2021.

Evânio teve poliomielite aos seis meses de idade, o que causou um encurtamento da perna direita.

EVÂNIO FOI PRATA NO RIO DE JANEIRO, EM 2016

Itambeagora@gmail.com

Deixe um comentário

mais Postagens interessantes

Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site. Ao clicar em "aceitar" assumiremos que você concorda com o uso que fazemos dos cookies. Concordo Clique AQUI e tenha mais informações

Política de Privacidade